Reunião esclarece dúvidas do moradores do Residencial Santa Clara

No início da noite da última quarta-feira do mês de setembro (27), a sede do Projeto Sócio-Educativo “Cuidando do Amanhã”, na Vila Santa Fé, recepcionou mutuários do conjunto habitacional do Jardim Santa Clara, novo bairro que compõe a Vila Santa Fé, organizado pelo Departamento de Habitação da Prefeitura Municipal, em parceria com a Caixa Econômica Federal.

Nesta oportunidade, representantes do banco, o gerente-geral da CEF, Nelson Carlos Pereira Silva e a supervisora Nathália Rissoni Baptistella relataram uma série de acontecimentos que poderiam constituir em irregularidades e culminar, inclusive, com casos de atrasos e inadimplência das prestações mensais. O gerente fez uma explanação geral sobre o programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”, mantido pelo governo federal; e a supervisora demonstrou como funciona o sistema de pagamentos e reiterou a importância do pagamento mensal em dia, e também, pediu para que não se faça mudanças na estrutura do imóvel, o que acarretaria em irregularidades.

As famílias que tiverem problemas financeiros devem procurar, imediatamente pela Caixa Econômica Federal para que o agente de financiamento deste residencial possa encaminhar uma possível solução”, reiterou o gerente-geral Nelson Pereira Silva, que complementou: “Vamos analisar cada caso individualmente e, dependendo de cada caso, podemos fazer um novo parcelamento”.

Em relação a irregularidades nos imóveis, seja os gerados pela construção ou mesmo após a entrega do imóvel, o banco também solicita que seja encaminhados os problemas para serem analisados. “As famílias devem consultar o Manual do Proprietário, seja para problemas de rachaduras ou mesmo alguma modificação no imóvel”, adiantou a supervisora, Nathália Baptistella.

Dos 385 moradores do Jardim Santa Clara, 124 famílias estiveram presentes. Além dos problemas com os imóveis e casos de inadimplências, outras dúvidas também foram relatadas, como vendas e locações – que não são permitidos -, desocupação ou ocupação de terceiros, além de atividades comerciais junto ao residencial, que também, são ilegais, segundo o contrato estabelecido pelo programa.

Quaisquer pendências e denúncias serão acatadas e analisadas pela Caixa Econômica Federal, que serão devidamente apuradas pelo banco. Os casos que envolvem ocupação irregular, o Departamento de Habitação faz as devidas apurações através de assistentes sociais, cujo trabalho é diário”, reitera o diretor do departamento, Hubiratan Jesus Penteado (DeHab).

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: