Município de Pirassununga não pretende estipular fechamento de acessos à cidade

O Município de Pirassununga não vai estipular o fechamento ou bloqueio dos acessos à cidade. O prefeito, Dimas Urban, explicou nesta terça-feira (24), de forma técnica, as razões para não se tentar adotar tal medida. O problema principal, segundo o prefeito, é que haveria necessidade grande mobilização de pessoal para uma medida que já se comprovou, cientificamente, ser ineficaz. Tomada tal atitude, ainda se desfalcaria as frentes de trabalho mais urgentes.

O prefeito explicou que assistiu à Sessão da Câmara desta segunda-feira (23) em que um dos vereadores requisitou o fechamento das entradas da cidade, e por isso entendeu ser importante esclarecer todos os pontos da proposta e porque esta medida seria ineficiente.

Inicialmente o Chefe do Executivo teria necessidade de disponibilização de ao menos dois agentes de segurança para bloquear cada acesso. Pirassununga possui ao menos 19 entradas, conforme o prefeito. Seriam necessários então, estar disponíveis, 38 agentes de segurança e 19 profissionais da Saúde para acompanhar essa operação, o que por si só já seria inviável, considerando-se ainda que estes profissionais são fundamentais no combate à pandemia.

O prefeito explicou ainda que o Exército e Aeronáutica devem disponibilizar apenas apoio de material e logística, conforme limita decreto presidencial. Segundo o Chefe do Executivo, o mesmo trecho legal não permite a liberação de pessoal para essas funções. Explica o prefeito que sem essa permissão presidencial, não há essa possibilidade.

Em resumo, se a Municipalidade concentrasse esforços no bloqueio dos acessos à cidade, precisaria dispor das forças da cidade e desfalcaria as frentes necessárias

Outro ponto seria a ineficácia da medida. O próprio prefeito ainda explicou que pesquisas internacionais apontam que 86% dos casos de coronavírus são assintomáticos. Ou seja, se a medida proposta fosse adotada em Pirassununga, seriam retiradas forças para controlar estradas para se ter uma efetividade de controle sobre apenas 14% dos doentes. Para o prefeito de Pirassununga, Dr. Dimas Urban, isso deixa evidente que esse tipo de ação proposta é absolutamente ineficaz no controle do coronavírus.

O Chefe do Poder Executivo explicou que até mesmo como médico entende que precisa adotar as medidas médicas para o controle da situação. Ele ponderou que ao que se verificou em todo o planeta a medida mais efetiva é o isolamento social, já adotado no Município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *