Pirassununga está na ‘fase vermelha’ e mantém comércio não essencial fechado por recomendação do MP

O Governo do Estado de São Paulo anunciou nesta sexta-feira (24) a oitava atualização do Plano São Paulo de retomada econômica e enfrentamento do coronavírus e apontou que ainda segue vetada a reabertura gradual de atividades não essenciais na região de Piracicaba, que inclui Pirassununga. Das 17 áreas de DRSs (Departamentos Regionais de Saúde) estabelecidas no Plano São Paulo, apenas três permanecem na etapa vermelha, com restrição total ao atendimento presencial de comércios e serviços não essenciais.

Segundo o Governo do Estado a ocupação de leitos de terapia intensiva para pacientes COVID-19 para toda a região de Piracicaba é de 84,8%. A medição não é individualizada por Município, o que acaba por prejudicar os dados de Pirassununga. Como é considerada preocupante a situação, se exige a continuidade das restrições.

O prefeito de Pirassununga, Dr. Dimas Urban, anunciou que vai cumprir as restrições impostas pelo Plano São Paulo, já que o MP (Ministério Público) havia tolerado a espera pelo fechamento, mas sinalizou que com este anúncio não pretende mais concordar com a abertura ? prevendo até possibilidade de ação judicial contra o Chefe do Executivo em caso de descumprimento da medida.

Por isso, após o anúncio do Governo do Estado de São Paulo a Prefeitura de Pirassununga publicou o Decreto 7.589, que prevê já a partir de segunda-feira (27) as restrições aos comércios não essenciais, seguindo rigorosamente o previsto pelo Plano São Paulo, adotando-se as medidas restritivas já impostas noutras oportunidades em que Pirassununga esteve na ‘fase vermelha’ do Plano.


Pirassununga coleta exames a moradores do Município

Na última quinta-feira (23) a Prefeitura de Pirassununga anunciou, pelas redes sociais, que em razão da procura pela Unidade Sentinela por um grande número de pessoas da região, que não residem em Pirassununga, a Secretaria Municipal da Saúde passaria a exigir a apresentação do Cartão SUS e comprovante de residência para realização dos exames de coronavírus. O prefeito, Dr. Dimas Urban, esclareceu que não será negado atendimento de urgência, mas ponderou que os exames ficarão, de fato, restritos a moradores de Pirassununga.

Ou seja, o atendimento de urgência, direito de todo e qualquer cidadão, está resguardado. Mas o prefeito explicou que a verba recebida pela Prefeitura para casos de Covid-19 está sendo aplicada pesadamente, em testes PCR, já que esses testes são muito eficientes. Isso garante medidas preventivas mais eficientes em Pirassununga, mas se houver atendimento a munícipes de outras cidades, não haverá capacidade para suprir as demandas.

Cumpre destacar que os mesmos exames PCR podem ser contratados por quaisquer outros Municípios junto à USP, já que os Municípios brasileiros receberam verbas específicas de combate à Covid-19. Porém, por serem verbas específicas e enviadas considerando-se a população de cada cidade, o dinheiro é limitado.

No fim de junho deste ano já foram investidos cerca de R$ 170 mil da verba do governo enviada para gerir o combate à Covid-19 em mais de 900 exames PCR; sendo feitos ainda 200 testes rápidos. Em cerca de 20 dias foram cerca de 1.500 atendimentos.

Por isso, evitando-se sufocamento do sistema de atendimento e da realização dos exames, não será colhido material para exame a moradores de outras cidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *