Vacinação da febre amarela é intensificada em todo o Estado de SP

Mesmo fora da listagem de registros da febre amarela, a Vigilância Epidemiológica de Pirassununga iniciou, nesta segunda-feira (14) a intensificação de vacinação contra a doença que, segundo dados oficiais apurados nos últimos dias em todo o Estado de São Paulo teve avanço significativo. Na região centro-leste, por exemplo, houve registro de um caso confirmado na cidade de Tambaú.

Portanto, em virtude do avanço da doença – com chancela da Organização Mundial da Saúde (OMS) e Ministério da Saúde – oficializou-se a implantação da dose fracionada da vacina (0,1 ml) para imunizar grandes contingentes populacionais.

A vacinação iniciou-se no dia 25 de janeiro deste ano, uma Campanha de Vacinação em 54 municípios do Estado de São Paulo, e foi encerrado em 16 de março passado, com a “cobertura” de 58,8% de vacinados. Até meados abril passado, no Estado de São Paulo, 619 municípios (96%) iniciaram ações de vacinação contra febre amarela e, já neste mês de maio, os 26 municípios restantes (região do GVE XX-Piracicaba/DRS X-Piracicaba), incluindo Pirassununga, estão iniciando a intensificação de vacinação.

Desde o início desta segunda-feira (14), o Centro de Especialidades Médicas (CEM), no Jardim Carlos Gomes, e as Unidades de Saúde da Família (USFs) “José Marafão” (Jardim Limoeiro) e “João Balbi” (Vila Santa Fé) oferecem a dose fracionada. No CEM, a vacina está disponível às segundas, quartas e sextas, em horário comercial; no Jardim Limoeiro, Cachoeira de Emas, às terças; e na Vila Santa Fé, às quintas e sextas, todos também em horário comercial.

Segundo a Vigilância, espera-se que até meados do mês de setembro – início do período da transmissão ativa da febre amarela – a população da área urbana já tenha sido vacinada e, desta forma, já se tenha atingido uma alta cobertura vacinal, com meta de 95%.

Contraindicação – A estratégia de fracionamento da vacina é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) quando há aumento de epizootias (morte de primata não-humano) e casos de febre amarela silvestre de forma intensa, com risco de expansão da doença em cidades com elevado índice populacional e que não tinham recomendação para vacinação anteriormente. A dose fracionada tem mostrado a mesma proteção que a dose padrão, a única diferença está no volume e duração da proteção. A dose padrão (0,5 Ml) protege por toda a vida, enquanto a dose fracionada (0,1 Ml) protege por oito anos, segundo estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz).

O público-alvo da intensificação de vacinação é toda a população acima de nove meses de idade, entretanto, alguns grupos não são indicados para receber a dose fracionada. São eles: crianças de 9 meses a menores de dois anos; pessoas com condições clínicas especiais que tenham indicação médica de vacinação (vivendo com HIV/Aids, ao final do tratamento de quimioterapia, pacientes com doenças hematológicas, entre outras) e viajantes internacionais (devem apresentar comprovante de viagem no ato da vacinação). Portanto, esses grupos receberão a dose padrão.

São contraindicações para o uso da vacina febre amarela, tanto para receber a dose padrão como a dose fracionada: crianças menores de 9 meses, pacientes em tratamento de câncer, pessoas com imunossupressão e pessoas com reação alérgica grave à proteína do ovo. No caso dos idosos, a vacinação deverá ser aplicada após avaliação médica; a imunização impede a doação de sangue por um período de quatro semanas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: